quarta-feira, 22 de março de 2017

Top #3 - Doramas Para Viciar

  Já faz um tempo que eu venho acompanhando alguns doramas, não tantos quanto eu gostaria, mas mesmo assim ainda está dando para me divertir com esses dramas coreanos, e, espero que você também, depois de ler essas três dicas. 😉

1 - Dream High


  Esse foi o primeiro dorama que eu assisti, e confesso que foi viciante. Ele conta a historia de um grupo de jovens que buscam seus sonhos no mundo da música, mas no final nem tudo acaba do jeito que eles planejaram, muito menos eles imaginavam o que eles se tornariam no caminho - e no final. Enfim, é incrível, cheio de música, drama adolescente e k-pop.


  P.s: ele ainda tem uma segunda temporada com novos atores, e, obviamente uma historia diferente, mas sem perder o clima da primeira temporada.

2 - Uncontrollably Fond


  Ainda estou assistindo esse, mas ele também é muito bom, embora já tenha uma pegada mais adulta, sabe? Ele conta a historia de um casal que está apaixonado, mas vive se separando por alguns problemas da vida, o que é bem frustrante, mas nada que te deixe desinteressado durante a historia - a não ser querer matar alguns personagens.

3 - Cheer Up! (Sassy Go Go Ka)


  Esse se passa em uma escola de nível médio, onde acompanhamos dois grupos de estudantes (os melhores e piores), que serão forçados a trabalhar juntos, e só com isso podemos esperar muita, mas muita confusão mesmo.

Gostou das dicas? Já assistia doramas? Me indique um também...

domingo, 19 de março de 2017

Resenha - Tom Jones | Henry Fildin - Adpatação Clarice Lispector


Ficha Técnica:

Livro: Tom Jones
Paginas: 313
Ano: 2017
Autor: Henry Fildin - Adpatação Clarice Lispector
Editora: Rocco
Selo: Jovens Leitores


  A historia do jovem Tom Jones, é um pouco inusitada, mas não deixando de ser intrigante ao leitor. Nela somos apresentados a personagens bem construidos que nos levam a um quebra-cabeça a ser montando, mas como?

   Jones, apareceu ainda recém-nascido na casa de um grande fidalgo de uma cidadezinha do interior, onde ele o adotou, mesmo ele não sendo o pai da criança, e muito menos sabendo quem poderia ser... Mesmo assim, ele adotou o jovem Jones e o criou como se fosse seu próprio filho.

   A infância/adolescência dele foi um pouco complicada, não por ele ser um jovem rebelde, pelo contrario, por ser leal de mais ao, bem, seu único amigo, o meteu em algumas confusões, mas que nem chegavam aos pés das que o filho da irmã do seu "pai" o colocava.

   É claro que não iremos falar sobre a vida toda dele aqui, o.k? Até porque no livro é contado tudo muito rapidamente, apenas dando ênfase as partes necessárias para a continuidade da historia (o que resulta em vários saltos no tempo).

   De qualquer maneira, a historia real do livro começa quando Tom Jones, é expulso de casa após se apaixonar pela linda Sophia Western, que também retribuía seu amor, mas que não era bem visto pelos pais de ambos, o motivo? Jones ser adotado...

   Assim, Jones começou uma viajem para se "descobrir", mas no meio do caminho ele acaba descobrindo que sua Sophia fugiu de casa... Agora você já deve imaginar mais ou menos o desfecho dessa historia, né?

  Sim, Jones irá em busca de Sophia, e ela dele, mas, como nada é tão fácil, eles terão muitos encontros e desencontros até ficarem - talvez- juntos no final, mas ainda temos algumas perguntas a serem resolvidas até esse final, como: quem é o pai de Jones, a mãe...

  "Essa foi uma leitura rápida e divertida. Jones nos mostra que ser honesto e pensar no próximo pode sim, te fazer ter o seu final feliz, se bem que ele foi posto a prova varias vezes e isso não mudou seu jeito de ser, o que me admirou muito, visto que algumas vezes, seus 'amigos' é que o traiam... O seu romance impossível com Sophia me deixou um pouco nervoso no final, confesso, mas tudo acabou se encaixando e... tem que ler, sabe?"
 

sábado, 18 de março de 2017

Lançamento - Vitoria e o Patife | Meg Cabot


  Sinopse: Neste romance histórico juvenil escrito pela autora de “O diário da princesa”, acompanhamos a trajetória de Victoria. Criada pelos tios na Índia, ela é enviada a Londres aos 16 anos para conseguir um marido. Mas é na longa viagem até a Inglaterra que a jovem encontra o amor, na figura de Hugo Rothschild, o nono Conde de Malfrey. Tudo estaria ótimo se não fosse a insuportável interferência do capitão do navio, Jacob Carstairs. Por que ele não pode confiar na escolha de Victoria? Por que ele não a deixa em paz? Estaria Hugo escondendo algo?

domingo, 12 de março de 2017

[Resenha] One Piece #79



Ficha Técnica:

Manga: One Piece
Volume: #79
Paginas: 196
Ano: 2015
Mangaka: Eichiro Oda
Editora: Shonen Junp 


  Nos volumes anteriores, Luffy formou uma aliança com o pirata Trafalga Law, com o objetivo de derrotar o Shichibukai DoFlamingo, que atualmente estava governando o pais Dressrosa, onde além de ter transformado alguns cidadãos em brinquedos, também tinha uma fabrica de akuma no mi, que ele as vendia no mercado negro.

  Finalmente teremos o final dessa batalha e o começo de uma possível nova jornada, mas vamos nos focar no DoFlamingo, após ter tido seus 'companheiros' derrotados e só restando ele, só teve uma única opção matar todos na gaiola que ele criou, mas o Luffy não vai deixar isso acontecer, como vimos no volume anterior, ele além de ter mostrado um incrível novo poder, deu esperança e força para o povo da cidade lutar novamente.

  As coisas já não estavam muito boas para o lado do DoFlamingo, e agora sozinho é que não estão mesmo, mas só que o novo poder do Luffy tem um limite e para se recuperar dele, ele vai ter que ficar 10 minutos descansando, até ai tudo bem, não é? Claro, porque temos outros piratas, marinheiro, além de alguns membros da tripulação do Chapéu de Palha, que podem distrair ele enquanto o Luffy se recupera, não é?

  Errado, até poderia, mas o tempo para a gaiola se fechar e matar todos e de 9 minutos, então digamos que precisaríamos de um milagre para a recuperação do Luffy, então o que eles irão fazer?

                                         -------------- Pós Batalha -----------------

  Com a ajuda de todos da cidade, eles conseguiram para a gaiola por alguns minutos que foram mais que suficientes para o Luffy recupera as suas forças e dar o golpe final no DonFlamingo, ainda tivemos alguns contratempo, mas nada que interferisse no resultado final.

  E a noticia da derrota do DoFlamingo e a queda do seu império, se espalhou muito rápido pelo Novo Mundo, coisa essa que não agradou em nada o Alto Escalão da Marinha, que não puderam fazer nada para encobrir a historia. Podemos esperar uma vingança por parte deles?

  Agora se recuperando da batalha o bando do Chapéu de Palha está - quase - pronto para se reunir com o resto de sua tripulação, que agora finalmente saberemos o que aconteceu com eles durante esse tempo, ainda teremos o Sabo contando um pouco sobre sua historia e o motivo de não ter procurado o Luffy esse tempo todo.

  Resumindo, a ilha de Dressrosa voltou ao poder do seu antigo rei Riku, ainda estão a reconstruindo, mas felizes que finalmente acabou o reinado do DoFlamingo, e ainda teremos algumas novas alianças se formando no Novo Mundo, que promenten cruzar o caminho dos Chapéus de Palha em breve.

   "Esse com certeza foi um dos melhores arcos de One Piece, estava lendo um volume atrás do outro, e não parava de me surpreender com o rumo que a historia estava levando, mas admito teve algumas partes bem chatinhas, mas nada pode ser 100% perfeito, não é? E sobre as próximas aventuras, só posso falar que elas evoluirão para um nível totalmente diferente."

quinta-feira, 9 de março de 2017

[Resenha] Pântano de Sangue - Os Karas #2 | Pedro Bandeira



Ficha Técnica:

Livro: Pântano de Sangue
Serie: Os Karas
Volume: #2
Paginas: 192

Ano: 2014
Autor: Pedro Bandeira
Editora: Moderna



  Essa é mais uma aventura dos Karas, e dessa vez eles irão mais além do colégio Elite, em São Paulo. Tudo irá começar quando o professor de matemática deles aparece morto, mas o que chama atenção é a forma brutal como ele foi assassinado, para ser por um simples roubo de rua. É claro, tem muito mais coisas por trás disso e, o Crânio irá descobrir.

  A teoria de Crânio, consiste em que o seu professor tenha fotografado algo que não devia na suas ferias no Pantanal. E dai, alguém veio de lá para matar ele para garantir que ninguém descobrisse sobre a tal foto... Meio louca essa teoria, né? Os Karas também não irão acreditar, e, assim o Crânio irá sozinho para o Pantanal, para provar que estava certo e descobrir o que fez o seu professor ser morto...

  Quando ele chegar ao Pantanal, ele vai descobrir que a historia é bem pior do que ele imaginava. Lá está acontecendo diversos crimes ambientais, como trafico de animais, desmatamento e até o crime organizado (de drogas) está lá. Para ele começar a busca, nada melhor do que refazer os passos do seu professor, e, com isso, entrará na historia como guia turístico o índio Robson, que é hilário.


  Bom, ele não iria sem mais nem menos para outro estado, né? Crânio, iria ficar hospedado na casa da sua tia Matilde, uma senhora excêntrica que é dona de uma fazenda e muitas terras por lá. Mas os dois não irão acabar se desencontrando no aeroporto, por causa de um incidente e, ele vai acabar conhecendo o Senador, um homem muito respeitado e conhecido por todos, e está disposto a ajudar ele nessa busca.

  Mas e os outros Karas? Magri, Miguel, Kalu e Chumbinho?

  Calma, eles irão participar dessa aventura mais a frente... Crânio vai descobrir - depois de algum tempo - que Elias tinha descoberto possivelmente o esconderijo dos coureiros, pessoas que matam os jacarés para pegar o seu couro. Só que isso estava sendo comandado pelo Ente, uma pessoa muito poderosa e influente no submundo do crime (internacional). Mas, quando ele descobre isso, ele também acaba sendo capturado...

  Agora, resta ao outros Karas irem para o Pantanal, salvar Crânio, mas a única pista que eles tem é que ele foi capturado pelo Ente, que ninguém conhece... Só que isso não é motivo para desanimar os Karas, eles irão fazer de tudo para montar esse quebra-cabeça e descobrir quem está por trás de tudo e salvar seu amigo.

  "Esse livro não foi tão bom quanto A Droga da Obediência. Talvez pelo motivo do autor passar muito tempo falando dos problemas ambientais do Pantanal, que eu sei que é uma realidade, mas isso acaba sendo frustrante (aqui) quando esperamos ver cenas dos Karas em ação, entende? Mas o final foi muito bom, embora fique um pouco óbvio na metade do livro de quem seja o Ente."
 renata massa